Total de visualizações de página

Seguidores

A Palavra do Frei Petrônio

Loading...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

VÍDEO SELF-08: Evangelho do Dia. (05 de dezembro-2015).

A PALAVRA DO FREI PETRÔNIO. Nº 1054. O Outro lado de Angra.

2º Domingo do Advento: No marco do deserto

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus segundo Lucas 3, 1-6 que corresponde ao Segundo Domingo de Advento, Ciclo C do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto
Lucas tem interesse em indicar com detalhes o nome dos personagens que controlam naquele momento as diferentes esferas do poder político e religioso. Eles são os que planificam e dirigem tudo. No entanto, o acontecimento decisivo de Jesus Cristo prepara-se e acontece fora do seu âmbito de influência e poder, sem que eles tomem conhecimento nem decidam nada.
Assim aparece sempre o essencial no mundo e nas nossas vidas. Assim penetra na história humana a graça e a salvação de Deus. O essencial não está nas mãos dos poderosos. Lucas diz concisamente que «a Palavra de Deus veio sobre João no deserto», não na Roma imperial nem no recinto sagrado do Templo de Jerusalém.
Em nenhuma parte se pode escutar melhor que no deserto a chamada de Deus para mudar o mundo. O deserto é um território da verdade. O lugar onde se vive do essencial. Não há sítio para o supérfluo. Não se pode viver acumulando coisas sem necessidade. Não é possível o luxo nem a ostentação. O decisivo é procurar o caminho acertado para orientar a vida.
Por isso, alguns profetas recordam tanto o deserto, símbolo de uma vida mais simples e melhor enraizada no essencial, uma vida todavia sem distorções por tantas infidelidades a Deus e tantas injustiças com o povo. Neste marco do deserto, João Baptista anuncia o símbolo grandioso do «Batismo», ponto de partida de conversão, purificação, perdão e início de vida nova.
Como responder hoje a esta chamada? O Baptista resume-o numa imagem tomada de Isaías: «Preparai o caminho do Senhor». As nossas vidas estão semeadas de obstáculos e resistências que impedem ou dificultam a chegada de Deus aos nossos corações e comunidades, à nossa Igreja e ao nosso mundo. Deus está sempre próximo. Somos nós os que temos de abrir caminhos para acolhê-Lo encarnado em Jesus.
As imagens de Isaías convidam a compromissos muito básicos e fundamentais: cuidar melhor do essencial sem nos distrairmos com o secundário; retificar o que temos vindo a deformar entre todos; tomar caminhos difíceis; afrontar a verdade real das nossas vidas para recuperar um perfil de conversão. Temos de cuidar bem dos batismos das nossas crianças, mas o que necessitamos todos é um «batismo de conversão».

O fracasso do Papa na África

O Papa Francisco, agora de volta a Roma em segurança, deixou passar uma importante oportunidade em sua viagem à África. Os seus apelos pela paz e reconciliação entre os cristãos e muçulmanos do continente foram bem recebidos por ambos os grupos. A sua repreensão para com a indiferença dos ricos, enquanto visitava uma favela com casas feitas de papelão, foi oportuna. Ele foi bastante aplaudido quando advertiu sobre a catástrofe caso as negociações climáticas em Paris esta semana não resultarem positivo. Mas, quanto à forma como os gays são tratados em um continente onde a homossexualidade é ilegal em muitos países, ele ofereceu apenas um silêncio ensurdecedor.
O comentário é de Paul Vallely, publicado por The New York Times, 02-12-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa. Paul Vallely é o autor de “Pope Francis: The Struggle for the Soul of Catholicism”, sem tradução no Brasil.
Os seus defensores dirão que os direitos dos gays são uma obsessão dos países ocidentais e que teria sido contraproducente para o papa levantar esta bandeira em uma breve visita a um continente que é hostil ao desejo do papa em fazer a Igreja Católica de Roma mais acolhedora junto à comunidade homoafetiva, ou aos divorciados e casais que vivem juntos sem estar casados. Isso porém está errado. A maneira como os gays são tratados é fundamental para o futuro da Igreja universal – e o Papa Francisco sabe disso.
É verdade que este primeiro papa vindo de um país em desenvolvimento olha o mundo de forma diferente dos papas europeus. Nesse sentido, a sua ida à África foi uma quintessência da nova abordagem de Francisco ao ser papa. Ele quer uma Igreja que esteja “em missão”, estendendo a mão aos outros em vez de esperar que eles venham até ela. E ele é, em especial, preciso em estender a mão àqueles que ele mesmo descreve como estando “nas periferias”, motivo por que ele escolheu o República Centro-Africana – país não muito presente nos lugares onde o mundo, em geral, centra a sua atenção.
Ele deseja uma Igreja misericordiosa que seja um “hospital de campanha” para os inúmeros feridos deste mundo, razão pela qual ele se aventurou em um dos lugares mais problemáticos e perigosos do mundo na segunda-feira (30 de nov.) para pedir, a cristãos e muçulmanos, que deem um fim à espiral sangrenta de ódio na qual milhares morreram nos últimos três anos. A paz e a reconciliação foram as mensagens mais consistentes nos três países visitados – Quênia, Uganda e República Centro-Africana –, onde a violência entre religiões diferentes é comum.
Quando perguntado sobre o perigo de homens armados durante a viagem, Francisco respondeu: “Estou mais preocupados com os mosquitos”.
Este papa quer uma Igreja que seja “pobre e para os pobres”, motivo por qual ele fez questão de visitar uma das maiores favelas de Nairóbi. Água limpa e um sistema sanitário eficaz são direitos humanos dados por Deus neste mundo de abundância, disse ele. O papa também atacou a minoria rica que tolera o sofrimento dos pobres – ou mesmo se beneficia dele.
Francisco pode ser o primeiro papa do sul global, mas esta sua ida à África foi uma curva íngreme de aprendizado. Esta foi a sua primeira viagem a um continente do qual ele sabe pouco – embora esteja bem ciente de que a África será uma das novas potências do catolicismo. As frequências às missas podem estar em declínio no velho mundo, mas o número de católicos na África cresceu em 238% desde 1980.
Estes números sublinham, todavia, a importância de confrontar a África com o seu preconceito contra os gays. No recente Sínodo dos Bispos sobre a família ocorrido em Roma, a questão de como a Igreja Católica trata os gays foi deixado de fora da pauta, graças a uma aliança entre os bispos das guerras culturais americanos, os conservadores da Europa oriental e um novo bloco poderoso de bispos africanos que constituía um quinto dos Padres Sinodais.
A visão que estes religiosos partilham não é a mesma do Papa Francisco. Quando perguntado, ainda nos primeiros meses em Roma, sobre um sacerdote gay, Francisco deu a seguinte resposta: “Quem sou eu para julgar?” Esta resposta tornou-se na marca definidora de seu papado que então se iniciava. Mas o papa claramente assumiu um ponto de vista tático no Sínodo, decidindo lutar uma batalha de cada vez, priorizando a questão de como a Igreja trata os fiéis divorciados, que atualmente estão proibidos de receber o sacramento da Comunhão.
Pode perfeitamente ser que o Papa Francisco tenha decidido que uma estada de seis dias na África não era o lugar para levantar uma questão tão delicada [como a da homossexualidade]. O debate sobre o lugar dos gays na Igreja irá exigir tempo para uma abordagem mais suave e gradualista.
Porém, este problema é um impedimento duplo para Francisco – um problema que ele deveria ter iniciado publicamente a abordar. Está-se diante de uma injustiça maciça aos direitos humanos porque a homofobia é endêmica na África; a maior parte dos países aí, incluindo os três que ele visitou, possuem leis contra a homossexualidade. Em Uganda, uma medida transformada em lei no ano passado por seu presidente obrigou os cidadãos a relatarem à polícia atividades homossexuais suspeitas. Como consequência, os níveis de violência contra a comunidade gay aumentaram.
Papa o Papa Francisco, tais atitudes constituem um problema adicional do lado de dentro da Igreja Católica, onde elas são um freio às mudanças que ele, o papa, quer trazer à instituição por ele governada. Está-se diante de um problema profundamente arraigado, quando líderes africanos, como o Cardeal Robert Sarah, da Guiné – religioso promovido por Francisco –, se apresenta em público e declara que “as ideologias homossexuais e abortivas do ocidente, bem como o fanatismo islâmico” são, para o século XXI, o que foram as “bestas” gêmeas da ideologia nazista e comunista o foram para o século XX.
O papa deveria ter, no mínimo, estabelecido um ponto de referência dizendo que uma tal intolerância não tem lugar na Igreja. Mas, pelo contrário, ele permitiu que esta minoria vociferante o deixasse sem ação e numa situação difícil. Os defensores de Francisco sugerem que ele fez uma referência tangencial à perseguição aos gays em um sermão onde afirmou que devemos “proteger-nos e ajudar-nos uns aos outros como membros da única família humana”.
Mas, como um apelo contra a discriminação, esta fala foi altamente oblíqua, num debate onde os opositores da tolerância aos homossexuais são brutais e diretos. Aliás, muitos irão tomar o seu apoio ao matrimônio, trazido em seu discurso em Uganda, como um apoio implícito à postura antigay. Estas pessoas acharão o mesmo a respeito de seu ataque, no Quênia, às novas “formas de colonialismo”, com o que ele quer dizer a imposição de valores ocidentais à saúde sexual da mulher em troca de cooperação internacional.
A África está prestes a se tornar uma força cada vez maior dentro do catolicismo. O Papa Francisco perdeu uma bela oportunidade de sublinhar a amplitude da mensagem de amor, misericórdia e inclusão que é preciso ter para se tornar um membro aceito da Igreja universal. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

A PALAVRA DO FREI PETRÔNIO. Nº 1053. As neblinas da vida.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

EU ESTIVE NA LAMA Editorial Bento Rodrigues (Vinheta) - Vídeo Dailymotion

EU ESTIVE NA LAMA Editorial Bento Rodrigues (Vinheta) - Vídeo Dailymotion

EU ESTIVE NA LAMA: Editorial Bento Rodrigues. (Vinheta)

EU ESTIVE NA LAMA: Editorial Bento Rodrigues.

EU ESTIVE NA LAMA: Editorial Bento Rodrigues.

Paróquia do Pilar, de Ouro Preto-MG: A RESPEITO DO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DO FUNDÃO

São passadas três semanas da tragédia em Mariana, com o rompimento da barragem do Fundão, da empresa Samarco.
Desde então, acompanhamos, consternados, os desdobramentos deste caos social, cultural e ambiental, com perdas humanas, destruição de cidades e vilarejos e enorme desastre ambiental, atingindo dez municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo.
Por onde a lama passou, deixou um rastro de morte e destruição que agora atinge as águas oceânicas, depois de atingir nossos rios, sobretudo o Rio Doce, com consequências imprevisíveis.
Em meio a este cenário de destruição e morte, é preciso destacar a solidariedade do povo local e de todo o Brasil com doações e ações de voluntariado e algumas ações públicas em socorro aos atingidos, vítimas desta tragédia.
É bom lembrar que essa tragédia foi causada por mãos humanas. Ela tem como responsáveis as empresas detentoras da barragem que se rompeu e os governos, através dos órgãos encarregados de fiscalizar o cumprimento das leis que regulam a atividade minerária e o monitoramento da segurança das populações e do meio ambiente.
Agradecemos sua ajuda solidária, nesse primeiro momento, com roupas, água, material de higiene e outros. Recordamos que você pode ajudar fazendo doações em dinheiro, com depósito em contas abertas pela prefeitura de Mariana e pela Arquidiocese de Mariana para ajudar os atingidos desta tragédia.
Nossa Arquidiocese de Mariana, através dos serviços diocesanos e das paróquias, tem acompanhado, de perto, as pessoas e as comunidades atingidas, oferecendo apoio humano/social e religioso; ajudando na organização das vítimas e participando, diretamente, das iniciativas em vista dos passos futuros a serem dados para prover as vítimas em suas necessidades e direitos, também em vista da reconstrução de suas vidas e de suas comunidades.
Esperamos que esta situação não fique impune. Esperamos que as vítimas dessa tragédia sejam ouvidas, ativamente, no processo de reconstrução de suas vidas e de suas comunidades. Esperamos que esta tragédia modifique as leis de licenciamento e fiscalização minerária e nos faça, governos, instituições e sociedade, repensar esse modelo desenvolvimentista de bem estar que coloca o projeto econômico acima do valor da vida humana e do bem viver.
Deus fortaleça os atingidos no processo de reconstrução de suas vidas, para que não desanimem; conceda a todos, comunidades e lideranças, perseverança nas ações de solidariedade e defesa dos interesses dos atingidos. Ele, na ação de seu Santo Espírito, ilumine autoridades e órgãos responsáveis para que seja feita justiça, haja reparação, compensação e indenização diante dos danos causados pelo rompimento da barragem, minorando os sofrimentos e perdas dos atingidos por esta tragédia.
Não somos mais os mesmos, depois desta tragédia; sentimo-nos todos atingidos, somos uma grande família de irmãos e irmãs. Com a confiança quem vem da fé, trazemos a certeza de que desses escombros a vida haverá de brotar. A palavra é de esperança, pois o “menino que vem nesse natal, vem como “luz” para dissipar as “trevas”, vem trazer vida e salvação.

Comunidade Paroquial do Pilar – padres; Danival, Rogério e Pe. Marcelo.

A PALAVRA... Nº 1051. E se não existissem as Mineradoras?

ARQUIDIOCESE DE MARIANA-MG: 270 Anos.