Total de visualizações de página

Seguidores

A Palavra do Frei Petrônio

Loading...

quarta-feira, 14 de maio de 2014

FREI ANTÔNIO BENTO: Missa de Ordenação-08

ORDEM TERCEIRA DE JOÃO MONLEVADE-MG.

Encontro sobre a Espiritualidade Carmelitana.
Dia 17 de maio-2014.
Com Frei Petrônio de Miranda, 0.Carm e Paulo Dhaer
4º Tema: O DNA DO CARMELO
Por Frei Francisco Sales, O.Carm, da Província Carmelitana Pernambucana.

1. Peregrinação.
Os primeiros Carmelitas são peregrinos, homens inconformados com um modelo de viver a fé que, movidos pelo desejo de seguir a Jesus de forma mais radical, buscam na Terra Santa, o Santo da Terra. Constroem o novo, aventuram-se para garantir a autenticidade de sua fé. O Carmelita é por natureza um inquieto, peregrino, inconformado com a mesmice da fé e da história, aventureiro do Absoluto.
2. Grupo, Fraternidade.
No Carmelo na há um líder carismático, um fundador no estrito senso da Palavra. Há um grupo que, movido por um desejo comum de fidelidade ao Evangelho, encontra-se e constroe um modo de vida. Para o Carmelita, a razão da vida tem sua fonte numa comunidade e está necessariamente direcionada para a construção da fraternidade.
3. Corações famintos.
Nós não conhecemos os nomes dos primeiros Carmelitas, mas podemos conhecer seus corações marcados por uma fome. Foram marcados por uma profunda experiência de conversão, saíram do bulício das cidades para viverem na solidão, iniciando uma vida juntos com o intuito de responderem à fome profunda de seus corações.
4. Monte Carmelo.
O caminho Carmelita passa necessariamente pelo monte, com todos os significados que a espiritualidade bíblica a ele atribui. É o lugar da parada dos peregrinos, da subida, da jornada para a comunhão com o Senhor, etc. O Monte confere ao grupo um nome, uma identidade, uma terra. Eles irão levá-lo a todos os recantos por onde se espalham, fazendo de suas habitações outros Pequenos Carmelos, lugares evocativos da aventura inicial.
5. Fonte de Elias.
O ponto de parada dos primeiros Carmelitas é a fonte do Profeta, marco memorial dos grandes feitos de Elias. Ao redor da fonte saciam aquela sede mais intensa e, à imitação de Elias, deixam-se consumir de ardente zelo pelo Senhor Deus dos Exércitos, anunciando a Boa Nova de Deus aos pobres dos povoados ao redor do Monte Carmelo.
6. Celas.
Espaço de solidão e de cultivo da intimidade e do encontro com Deus, chão, no qual se nutre a vida através da lectio divina, lugar de luta contra toda forma de escravidão da pessoa e da conquista da liberdade interior.
7. Oratório.
Centro de convergência da vida, lugar da celebração do louvor comum que transforma a vida em sacramento da presença de Deus. Espaço para a celebração da Eucaristia, do encontro com o Cristo vivo e presente no Pão partilhado que se transforma em ponto gravitacional de toda a existência.
8. A Senhora do Lugar.
O oratório é consagrado à Virgem Maria, e à Senhora do Lugar eles próprios se consagram. No coração da visão carmelita está Maria, como força de inspiração a quem eles chamam irmã e na qual contemplam, como em figura, realizado todo seu desejo de fidelidade ao projeto de Jesus.
9. Um ritmo que orienta a vida.
Viviam em um local aprazível e solitário; distantes o suficiente uns dos outros; dedicavam o seu tempo à oração e reflexão; liam as Escrituras e procuravam marcar com suas linhas os seus corações; jejuavam; trabalhavam e marcavam suas vidas ao compasso do silêncio; reuniam-se diariamente para a eucaristia e semanalmente para revisar a vida à luz do propósito comum; viviam uma vida de pobreza; seu líder era eleito e morava à porta da habitação comum; acolhiam e serviam àqueles que batiam a sua porta; desciam do Monte para irradiar a Boa Nova entre o povo do lugar. A vida no Monte Carmelo centrava suas vidas dispersas e apaziguava suas mentes confusas, libertando os seus corações das urgências e compulsões do tempo. Viveram quase 100 anos neste ritmo de vida.
10. A Norma de Vida.
A vida vivida foi codificada numa Regra que se transforma no referencial permanente, na Fonte que contém as indicações concretas para a fidelidade, sempre aberta para aqueles que fizerem mais. Mais do que normativa, a Regra é um elemento carismático, indicativo e dinâmico.
11. Viagem de volta.
Diante das dificuldades e perseguições, os carmelitas fizeram a viagem de volta, transfigurados. Deixaram o Carmelo, mas o Carmelo nunca mais os deixou, forjaram uma nova visão do Carmelo, como referencial espiritual de suas vidas. O Carmelita é aquele que, uma vez bebendo da fonte, é capaz de refazer o caminho de volta e recontar a própria história a partir da experiência vivida.
12. Mendicância.
A dinâmica das Ordens Mendicantes é assimilada pelo Carmelo desde a sua origem e sobretudo a partir do seu retorno na Europa. Momento vivido com os conflitos próprios de toda mudança. A Regra é adaptada à nova realidade e mais uma nota é acrescida à sinfonia inicial do Carmelo, incorporando outros elementos, como a itinerância, a simplicidade de vida, o serviço ao povo de Deus nas realidades desafiadoras das cidades, a  abertura ao inesperado, etc.
Estes referenciais simbólicos estão impressos no coração de cada carmelita, fazem parte do nosso DNA espiritual, renascem em cada nova geração e nos ajudam a entender e a viver melhor o dom especial do Carmelo para a Igreja. Eles nos provocam continuamente em nossos desejos e impulsos de fidelidade, em nossos projetos e escolhas. Eles nos ajudam, diante dos desafios com os quais nos confrontamos, a recriar o significado de nossa vida e de nossa presença na Igreja e no mundo, mantendo a fidelidade à nossa identidade, atualizando-os numa tensão fecunda entre passado e presente em vista do futuro.

PARA REFLETIR:

1º Onde está um carmelita(a) aí está o carmelo. Em família, no trabalho, na comunidade... somos sinais vivos da espiritualidade carmelitana?

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Igreja se rebela contra a igualdade de gêneros na Polônia

El País
Lucía Abellán

Em Varsóvia (Polônia)

Enquanto toma uma limonada em um terraço em Varsóvia, Anna Grodzka atrai os olhares dos transeuntes que passam a seu lado. Com aparência física inconfundível, ela é a única transexual membro do Parlamento da Polônia e uma das poucas na esfera pública na Europa. Duas senhoras se aproximam de maneira espontânea para cumprimentá-la, mas nem sempre é assim.
"Recebo muitas palavras de afeto, mas há alguns que me insultam... Às vezes tenho medo de ser agredida", confessa a parlamentar.
Para muitos, Grodzka encarna a essência de um conceito que está revolucionando o país, a chamada ideologia de gênero, à qual seus defensores atribuem virtudes como a igualdade entre os sexos e a aceitação da diversidade, enquanto seus detratores a acusam de subverter o modelo tradicional de família, muito arraigado na Polônia.
Atualmente, o centro de Varsóvia destila seu fervor por João Paulo 2º. Os principais monumentos da cidade são precedidos por um cartaz vermelho que lembra a trajetória do papa polonês recém-canonizado. O catolicismo é profundamente enraizado nesta sociedade, que ainda carrega as feridas do comunismo e que agradece à igreja por ter-se oposto ao regime.
Gradualmente, porém, uma nova Polônia está se abrindo para se equiparar aos padrões europeus em assuntos como a composição familiar, a luta contra a violência de gênero, os direitos dos homossexuais e as cotas para mulheres na política. "A ideologia de gênero é uma das maiores ameaças do século 21, pois vai contra os preceitos cristãos. Quero ter direito a dizer não e a educar meus filhos com minhas próprias crenças", enfatiza Tomasz Terlikowski, um dos ativistas mais beligerantes contra as questões de gênero, diante de um mural colorido de Jesus Cristo.
O problema está no entendimento equivocado desse conceito, que fica bem mais claro em inglês ("gender ideology", sem tradução clara em polonês) e também inclui uma palavra maldita neste país: "ideologia", algo muito associado ao regime soviético. A Polônia está avançando, em um ritmo variável, no que concerne a medidas que favoreçam a igualdade de sexos e o respeito pelas minorias. Mas há alguns meses a Igreja Católica censurou algumas delas, rotulando-as como ideologia de gênero, um conceito que radicaliza o debate. A situação chegou a tal ponto que em pleno Parlamento foi criado um movimento denominado Abaixo a Ideologia de Gênero.
"Os mal-entendidos teriam sido logo desfeitos se tivéssemos podido explicar melhor, o que não foi possível devido à intervenção da hierarquia eclesiástica. Eles têm pleno direito de ter suas posições e eu, todo o direito de discordar", desafia a secretária de Estado para a Igualdade, Agnieszka Kozlowska-Rajewicz, empenhada em derrubar os mitos associados às políticas que ela promove.
Kozlowska é a face mais liberal de um governo de centro-direita, o da Plataforma Cívica de Donald Tusk, que inclui outros membros mais apegados ao discurso tradicional.
Em seu posto, essa dirigente tem promovido medidas que beneficiam alguns setores da população, como uma cota mínima de representação de 35% para mulheres nas chapas eleitorais, uma licença-paternidade independente, uma lei de conciliação trabalhista e familiar e uma norma que penaliza as manifestações de ódio contra homossexuais.
Embora a titular da pasta da Igualdade assegure contar com o respaldo majoritário da sociedade, seu trabalho também enfrenta a rejeição dos poloneses à palavra "igualdade", associada ao regime comunista.
A oposição ao domínio soviético --agora mais intensificada entre os cidadãos devido ao conflito na Ucrânia-- molda a retórica de muitos discursos.
"O que se entendia como luta de classes agora foi suplantado por uma luta de gêneros. E é a mulher que exerce a violência, a que se comporta como um homem. Há grupos feministas que têm verdadeiro desdém pelos homens", enfatiza Krystyna Pawlowicz, deputada do partido Lei e Justiça (o dos gêmeos Kaczynski, de convicções muito conservadoras), nos corredores do Parlamento.
Com o tratado europeu na mão, Pawlowicz afirma que o governo polonês transgride as regras ao transpor para a legislação nacional normas europeias contrárias à Constituição, "que diz que a Polônia tem raízes no legado cristão e dá proteção à família".
Os líderes europeus adulam o primeiro-ministro polonês porque lhe atribuem dois grandes méritos: haver isolado a Polônia desse nacionalismo extremista --que durante anos levou Varsóvia a bloquear projetos comunitários-- e tê-la convertido no único país poupado pela recessão que se atingiu a UE.
Desde a queda do Muro de Berlim, em 1989, a Polônia é o país do antigo bloco soviético que mais claramente se aproximou dos cânones comunitários, especialmente após seu ingresso na EU, em 2004. Apesar disso, as crenças religiosas freiam alguns avanços.
A investida mais recente da igreja para tentar manter sua influência nas escolas beira a ilegalidade. Os párocos estão emitindo certificados de idoneidade para escolas que garantem ser amigas da família --ou seja, que não transmitem conteúdos relativos à igualdade de gêneros.
"Muitas vezes esses documentos também são expedidos em centros públicos. Nas aldeias, nenhum diretor de escola se negará a aceitar isso porque o catequista e o padre do lugar são figuras equiparadas ao secretário do partido no regime anterior", explica em um despacho sóbrio Magdalena Sroda, professora de Ética na Universidade de Varsóvia e uma das líderes do movimento feminista Congresso de Mulheres.
Esta acadêmica ironiza a repentina popularidade do debate sobre gênero na Polônia: "Tivemos que esperar 15 anos para que ele entrasse na esfera pública, e isso acabou sendo feito pela igreja".
Sroda, como outros especialistas, vincula o auge desse conceito com as denúncias, há um ano, de casos de pedofilia no seio da Igreja Católica e à tentativa da hierarquia de desviar as atenções para outra parte.
Independentemente das opiniões, os dados indicam que a situação da mulher na Polônia é menos favorável que a média na Europa.
"Somente 23% dos casais dividem as tarefas domésticas. O modelo mais adotado é o da chamada mãe polonesa, que tem jornada dupla no trabalho e em casa. Falta apoio institucional ao cuidado de crianças e idosos, a lei do aborto é muito restritiva, os anticoncepcionais não são financiados pelo sistema público... E apenas 10% dos pais desfrutam a licença-paternidade. Ainda há muito a fazer, mas pelo menos já se fala nisso", comenta Aleksandra Nizynska, pesquisadora do Instytut Spraw Publicznych, um centro de estudos políticos e sociais polonês, e defensora ferrenha da igualdade de gêneros.
A Polônia tem alguns desafios pela frente, a exemplo da aprovação de uma lei contra a violência machista que desperta controvérsia, da padronização dos conteúdos de igualdade nas escolas e da norma que permite aos transexuais mudarem legalmente de gênero.
Porém, apesar de todas as dificuldades, Anna Grodzka mal podia imaginar, quando ainda era um pequeno empresário há alguns anos, que acabaria sendo membro do Parlamento com sua nova identidade feminina.
"Minha missão é fazer as pessoas entenderem que a diversidade é melhor, pois fortalece a sociedade e o indivíduo", conclui.
Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves