Total de visualizações de página

Seguidores

A Palavra do Frei Petrônio

Loading...

sábado, 13 de abril de 2013

3º DOMINGO DA PÁSCOA: O amor em primeiro lugar (Jo 21,1-19)


Frei Carlos Mesters, Lopes e Orofino


OLHAR DE PERTO AS COISAS DA NOSSA VIDA
No texto de hoje, vamos meditar o último diálogo de Jesus com os discípulos. Foi um reencontro celebrativo, marcado pela ternura e pelo carinho. No fim, Jesus chamou Pedro e perguntou três vezes: "Você me ama?" Só depois de ter recebido, por três vezes a mesma resposta afirmativa é que Jesus deu a Pedro a missão de tomar conta das ovelhas.  Para poder trabalhar na comunidade Jesus não pergunta se sabemos muito. O que ele pede é que tenhamos muito amor! Vamos conversar sobre isto.


SITUANDO
O capítulo 21 é um apêndice. A conclusão do capítulo anterior encerra tudo. O livro estava pronto. Mas havia muitos outros fatos sobre Jesus. Se fossem escritos, um por um,  "o  mundo não poderia conter os livros que se escreveriam". Por isso, por ocasião da edição definitiva, alguns destes "muitos outros fatos" sobre Jesus foram selecionados e acrescentados, muito provavelmente, para clarear os novos problemas do fim do século I.

Eis a lista dos fatos acrescentados no apêndice:
1. Jo 21,1-3: A volta à pescaria: o difícil trabalho da evangelização
2. Jo 21,4-8: A pesca abundante: a palavra de Jesus faz crescer a comunidade
3. Jo 21,9-14: A celebração da ceia, presidida por Jesus que une a todos
4. Jo 21,15-17: O primado do amor no centro da missão
5. Jo 21,18-23: A discussão em torno da morte de Pedro e do Discípulo Amado
6. Jo 21,24-25: A nova conclusão do Quarto Evangelho.

Os outros evangelhos contêm episódios semelhantes a estes e foram conservados no apêndice do Evangelho de João. Mas eles os colocaram em outros momentos da vida de Jesus. Por exemplo, Lucas situa a pesca abundante bem no começo. Mateus coloca a missão de Pedro no fim da permanência na Galileia.


COMENTANDO
João 21,1-3: "Vamos pescar!" - retrato de um início difícil
Duas coisas chamam a atenção. A primeira é que os discípulos passaram a noite toda pescando e não apanharam nada. Isto significa que o começo do anúncio da Boa Nova, logo depois da morte e ressurreição de Jesus, não foi fácil. Muito trabalho e pouco resultado! Pouco peixe na rede. Mas eles continuaram tentando. Não desanimam. Têm perseverança. A segunda é que eles ainda não se dispersaram e continuam unidos, apesar das dificuldades. Então quase todos aí. Pedro, na frente, que toma a iniciativa. Junto dele Tomé, Natanael, Tiago e João, mais dois outros, cujos nomes não são revelados, e o discípulo a quem Jesus amava.

João 21,4-6: Nova ordem de lançar a rede
De manhã cedo, quando vêm voltando da pescaria frustrada, Jesus está na praia, mas eles não o reconhecem. Depois de ter constatado que não tinham pescado nada, Jesus manda lançar novamente a rede. Lançaram, e ela ficou tão cheia de peixes, que não deram conta de puxá-la. É a palavra de Jesus que faz crescer a comunidade!  É a mesma abundância que já notamos quando Jesus mudou água em vinho e quando multiplicou os pães no deserto.

João 21,7-8: O amor é capaz de reconhecer Jesus
Vendo o resultado da pesca, o Discípulo Amado disse a Pedro: "É o Senhor!" O amor é capaz de reconhecer a presença de Jesus nas coisas que acontecem na vida. Ouvindo isso, Pedro, que estava nu, colocou uma roupa no corpo e pulou na água. É o Discípulo Amado que abriu os olhos de Pedro. Quando Pedro descobre a presença de Jesus, descobre também que ele mesmo está nu. Como diz a Carta aos Hebreus: diante de Jesus, a Palavra de Deus, "não há criatura oculta à sua presença, mas tudo está nu e descoberto" (Hb 4,13). Descobrindo Jesus, Pedro se reencontra consigo mesmo. Ele se refaz (coloca a roupa) e se torna capaz de enfrentar o mar. Estavam perto da margem. Os outros vêm atrás do barco, arrastando a rede cheia de peixes.

João 21,9-14: A celebração da ceia, presidida por Jesus que une a todos
Chegando à praia, descobrem que Jesus já tinha preparado uma refeição com pão e peixe assado nas brasas. Jesus manda trazer mais uns peixes dos que foram apanhados na rede. Pedro sobe no barco e arrasta a rede para a terra. Fazendo as contas, eram 153 peixes grandes, e, "apesar de serem tantos, a rede não se rompeu". Tudo isto tem um valor simbólico muito grande. A rede simboliza a Igreja. É Pedro que arrasta a rede, mas é o Discípulo Amado que reconhece Jesus. Alguns acham que tudo isto se refere a um fato que aconteceu no fim do século I. Diante das perseguições cada vez mais fortes contra os cristãos, as comunidades do Discípulo Amado com seus 153 membros uniram-se às outras comunidades coordenadas pelos outros apóstolos. E aí todos juntos fizeram uma grande celebração da unidade, em cujo centro estava o próprio Senhor Jesus, preparando a Ceia.

João 21,15-19: O amor no centro da missão
Terminada a refeição, Jesus chama Pedro e pergunta 3 vezes: "Você me ama?" Três vezes, porque foi três vezes que Pedro negou Jesus. Depois de três respostas afirmativas, Pedro recebe a ordem de tomar conta das ovelhas. Jesus não perguntou se Pedro tinha estudado exegese, teologia, moral ou direito canônico. Só perguntou: "Você me ama?" Foi nessa hora que Pedro se tornou também "Discípulo Amado". O amor em primeiro lugar. Para as comunidades do Discípulo Amado, o que sustenta o primado e mantém as comunidades unidades não é a doutrina, mas sim o amor. 

sexta-feira, 12 de abril de 2013

OLHAR O PASSADO COM OS PÉS NO FUTURO: Revista, “O Mensageiro da Família Carmelitana”.

VENHA CONHECER
Mosteiro "Flos Carmeli" de Jaboticabal (SP)
 Ir.Maria do Carmo S.Moraes O. Carm. - Priora.
             Poucos imaginam como cada dia num Mosteiro é tão diferente do outro e tão cheio de acontecimentos, não? !!!
            Em julho, com início no dia 17, realizou-se mais um INTERCAB (Intercâmbio dos Carmelitas do Brasil no Rio de Janeiro, no "Carit" (Casa de Retiros de nossas queridas Irmãs Carmelitas da Divina Providência) com a participação de nossas Irmãs Tânia e Maria Ondina.
            Após o Intercab, deu-se no mesmo local o Encontro para Formadores Carmelitas da América Latina, do qual fez parte nossa Irmã Ondina. Foi um acontecimento marcante e de boa repercussão na Vida Carmelitana do nosso Continente.
            Aconteceu no mesmo mês a XVI AGO (Assembleia Geral Ordinária) da CRB (Conferência dos Religiosos do Brasil), em São Paulo, da qual participou a nossa Priora, Ir. Maria do Carmo e também a Ir. Antônia, a Priora do querido "Mater Carmeli" (nossa fundação de Paranavaí(Pr), que completou um ano no dia 20 de julho de 1992). Foi uma boa ocasião para se reencontrarem!
            Em nosso Mosteiro contamos com as presenças agradáveis e muito fraternas de nossos caros irmãos:
                -       Pe. Míceál O'Neill, Conselheiro Geral (11 e 12/08/92);
                -       Pe. Emanuelle Boaga e Ir.Camélia CDP (17 a 22/08/92, para nos dar um curso sobre Reformas no Carmelo);
                -       Frei Válter Rúbens O.Carm. (bondosamente deu duas manhãs de aulas para nosso noviciado, em outubro);
                -       Frei Tito Figueiroa de Medeiros O.Carm. ( de 12 a 17/10/92 deu curso sobre a Reforma Turonense e João da São Sansão);
                -       Revmo.Pe.Geral, que na companhia do nosso Pe.Provincial, Frei Felisberto Caldeira de Oliveira recém reeleito e de Frei Pedro Caxito nos visitou entre 2 e 4 de fevereiro deste e nos animou a vivermos o nosso carisma, tendo Jesus como nossa meta e modelo, imitando Maria, Elias e Eliseu como verdadeiras contemplativas e profetas animadas de constante amor. Ele falou separadamente com o nosso conselho conventual, com toda a comunidade e com as nossas noviças. O nosso ambiente agradou-lhe muito e nós muito mais ainda ficamos felizes com a presença dele
          - Frei Jadival, que reside aqui na cidade, foi sempre presença de irmão entre nós. Deus lhe pague.
            O convívio com cada um trouxe alento novo à caminhada desta pequena comunidade, de maioria jovem, que conta com o apoio e a sabedoria de vida de seus irmãos mais experientes.
            No dia 15 de agosto tivemos a grande alegria de comemorar os 40 anos de entrada da querida Ir.Teresinha Ueda no Mosteiro "Flos Carmeli". A missa solene foi celebrada em nossa Capela por nosso Bispo, Dom Luiz Eugênio Perez e concelebrada por 3 padres diocesanos e o bom irmão Frei Jadival O.Carm. responsável pelos postulantes carmelitas do Convento do Carmo de Jaboticabal. Por tudo demos graças a Deus!
            Também participamos a todos que, devido a tantas dificuldades que temos enfrentado, voltamos a confeccionar paramentos: os bordados são muito bonitos e bem feitos, pois nossas bordadeiras têm revelado seus talentos!
Louvado seja Deus! Isso muito anima nossa comunidade!
            Terminando, desejamos a cada um a Vida Abundante, Libertadora e Feliz de JESUS! Nossa Mãe Santíssima do Carmo interceda por todos, para que gozem de boa saúde e de força para continuar a caminhada do Carmelo com entusiasmo amoroso!